Entrevista Xavier Ballesa aerodinâmica da Red Bull

Fórmula 1 a partir de dentro

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Mad Motor teve o prazer de entrevistar um dos engenheiros da Fórmula Espanhol 1, Xavier Ballesta, nos “abordou” no auge do automobilismo.

Xavier Ballesta, já focado na próxima temporada 2015, Pedimos gentilmente respondeu a algumas perguntas sobre 8 Novembro, coincidindo com o GP do Brasil. Esta é a entrevista, todos a aprender:

LDM: ¿Xavi poderia explicar como chegou a F1?

XB: Cheguei no Fórrmula 1 Menos comumente, a, de um emprego na indústria automotiva comercial. Estudei Engenharia Aeronáutica na UPC (Universidade Politécnica da Catalunha) e sempre foi apaixonada por Fórmula 1, tão pouco a pouco, começou a se especializar na aerodinâmica. De lá, a UPC me ajudou a trabalhar em um projeto de um Entrevista Xavier aerodinâmica Ballesaano para desenvolver com aerodinâmica SEAT Sport de um Seat Leon WTCC. Depois trabalhei quatro anos como consultor em projetos para uso comercial, sempre ligada à aerodinâmica. Enquanto isso, sabia que a forma mais provável de encontrar trabalho na F1 era ir para a Inglaterra, como a maioria dos estábulos estão localizados lá. Comecei a procurar trabalho em empresas automotivas britânicas enquanto também tentou a sua sorte jogando meu CV em todas as equipes de F1. Fue muito duro porque eu passei um ano inteiro yendo a entrevistas a Inglaterra, muitas vezes pagando me viajar com o meu dinheiro de bolso, e durante todo o ano eu não tive qualquer post. Finalmente, após mais de um ano de buscas e insistentemente, uma empresa de consultoria automotiva Inglês me ofereceu um emprego como consultor sênior. Não me lo pensam duas vezes. Foi um bom post, buenisimas condições e salários duplicar o que eles ganharam em Espanha. Basta chegar Inglaterra, contudo, I foi oferecido outro emprego em uma das equipes de F1 que tinha enviado o CV. Ofereci-me para começar a partir do zero, como "Júnior" com estudantes universitários e com muito menos do que sênior condições de consultoria, e ainda assim eu não hesitou um momento. Eu desisti de trabalho de consultoria, alguns dias antes da minha suposta data de início e jogou mesmo sou a aventura da Formula 1. Uma vez lá dentro é agora mais fácil para se deslocar de um computador para outro, desde que F1 é muito puras. Espero que para se mover e atender vários computadores, grandes e pequenos, e obter uma experiência completa.

LDM: Para pEntrevista Xavier Ballesta piloto desenhoilotos F1 é o auge do automobilismo, Você acha que ele também é um engenheiro?

XB: Acho que sim. Eu não consigo imaginar um emprego no setor automotivo, que tem de me exigir 100% Todos os dias. Do ponto de vista da intensidade, conhecimento e "know how", e o nível de tecnologia, É bastante espetacular.

LDM: O que exatamente? Como influencia o seu trabalho sobre o carro?

XB: Soy "aerodinamicista", por aerodynamicist, como eles chamam em Inglês. Dedico para projetar componentes aerodinâmicos do carro. Isso inclui spoilers, o difusor de fundo plano, nomeadamente. É um processo compreendendo as seguintes fases:

  1. Projeto de um componente que eu acredito que vai trazer uma melhoria de um programa de CAD.
  1. Calculando esta peça em uma simulação virtual (CFD) usando um supercomputador que me dá uma aproximação do efeito desta peça sobre a aerodinâmica do carro.
  2. Se o resultado da simulação é promissor, componente de escala para o modelo de túnel de vento é fabricado (escalar normalmente 50% o 60%).
  3. Componente de teste no túnel de vento.
  4. Se o teste de túnel tem sido um sucesso, que peça será fabricado para o carro de corrida e será adicionado na próxima corrida. Se a parte não está funcionando como esperado, é descartado.
  5. Com as lições aprendidas (tanto positivas como negativas), Volto para projetar um outro pedaço e caminhou de volta para o ciclo.

O efeito sobre o carro está a gerar “downforce”, leitura aerodinâmica, para pilotos a ser o mais rápido nas curvas. Cada um traz-nos do que apenas a adição de um carro mais ou menos competitiva alguns décimos por volta de acordo com o sucesso de testes em túnel de vento. Contudo, Nesta temporada, os motores é mais importante do que em anos anteriores sobre a competitividade de um carro.

Entrevista freios Xavier BallestaLDM; O que é preciso para chegar à F1? É tão complicado quanto parece?

XB: Não é tão difícil quanto parece, nem exclusivo, mas exige esforço, estudar e espero. No meu caso, no campo da aerodinâmica, Eu recomendo estudar Engenharia Aeronáutica. A partir daqui, os dois percursos mais favoráveis ​​são as seguintes: observou como estudante e acessar um Autosport Mestre oferecendo universidades inglesas (idealmente com bolsa de estudos, porque algunos são caros), ou começar a trabalhar em empresas líderes na indústria automóvel ou a concorrência e, assim, ganhar experiência.

LDM: Uma vez dentro da grande tenda, É como você imaginou antes de entrar?

XB: Sim, é verdade que era altamente idealizada, as pessoas são muito normais e, em muitos aspectos, este é um trabalho como outro qualquer. O que me surpreendeu, e negativamente, É os aspectos comerciais e financeiros do esporte, como tu bien dices, parte do grande circo.

LDM: Você viaja a grandes prêmios ou baseiam-se na equipa de fábrica?

XB: Estou com sede na fábrica onde se encontra com o túnel de vento, desde o meu dia é projetar e peças de teste no túnel.

LDM: Como as corridas ao vivo e na prática, como parte de uma equipe?

XB: Esta é uma das partes mais mágicos para mim. Quando você assistir a uma corrida, você percebe que você está jogando um esporte e que são parte de uma equipe. As corridas estão vivendo de uma forma muito especial. Enquanto eu tenho amigos que não dão importância, tão apaixonado por F1 desde a infância me sinto privilegiada por estar seguindo minha equipe através da televisão.

Entrevista roda Xavier Ballesta F1LDM: É verdade que a midseason já trabalha no carro do próximo ano?

XB: Certamente. Quando a próxima temporada tem mudanças importantes de regulação, Você pode até mesmo começar um ano antes.

LDM: Existe um espião entre equipes ou acha que é tudo muito apertado?

XB: Tudo é muito apertado já que os trabalhadores são muito cautelosos por causa do nosso acordo de confidencialidade. Sim, para grandes prêmios cada equipe tem uma série de fotógrafos dedicados a tirar fotos de cada um dos carros rivais. É parte do jogo e é legal, porque quando você pegar um carro para competir, você está expondo o público.

LDM: Quem você acha que é o melhor piloto na grade atual?

XB: Raikkonen é um piloto que sempre gostou, é um único caractere na grade. Acho que Hamilton é um dos mais rápidos de um colo, enquanto Vettel pode sempre surpreender-me para o bem. Contudo, Acho que Alonso é o mais completo, ele está sempre lá. O que acontece é que você tem que ver os pilotos de equipes menores que são capazes de um carro competitivo, Surpresas faria!

Muito obrigado Xavier! E boa sorte em seus desafios 2015 e tudo o que vem na F1!

Adrián Osés, Locos Motor.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Outros itens da web

Locos motor
Autor: Locos motor Webmaster www.locosdelmotor.com